Polêmica crônica

Preconceito contra otakus

Fato ou intriga da opressão?

(atualizado em )
Por , em Principal. Link permanente:

Já parou pra pensar no motivo de animes sofrerem certo preconceito na grande massa? Ou por que as pessoas te acham estupido quando você fala que curte animações japonesas? Será que isso é culpa da ignorância das pessoas ou do próprio publico de animes?

Essas e outras questões vieram à tona esta semana enquanto assistia um anime meio anônimo, o Kantai Collection, cuja trama se baseia em colegiais com o espirito de navios de guerra japoneses (!?) e, como já é de praxe, é recheado de lolis e fanservice, claro.

Cena de Me!Me!Me! (entendedores entenderão)

Mas, primeiramente… Por que ainda assistimos coisas do tipo?

Simples. Usamos a desculpa de que o plot é bom ou algo mais profundo como “As colegiais-navios-de-guerra são na verdade uma crítica à sociedade opressora…” e por aí vai. Mesmo nós sabendo que isso não é verdade, pelo menos em alguns casos.

Porém, o motivo de assistirmos isso é simplesmente porque já estamos acostumados com acontecimentos do tipo: “Ops! Escorreguei e caí de cara nos seios daquela garota!” ou “Ops! Bateu um vento misterioso aqui que levantou a saia daquelas colegiais!”, já que boa parte dos animes contém isso. E é aí que vem o motivo do preconceito.

Pessoas não familiarizadas com animes geralmente assimilam obras populares como Cavaleiros do Zodíaco ou Dragon Ball, já que esses passavam em TV aberta. Porém, não vejo como encaixar shōnen em meio a este texto, visto que os mesmos seguem uma “receita de bolo” para serem produzidos, e não acredito que possuam motivo para aprofundamento.

Mas existem aqueles que têm uma “base” de argumentação e defendem que otakus são um povo pervertido e infantil, já que os mesmos só se baseiam em ecchis e hentais em suas argumentações e acabam por gerar esse preconceito sem sentido.

Isso é, em parte, culpa dos próprios fãs que levam a cultura do 2D a sério demais, o que obriga as editoras e estúdios a produzirem um conteúdo cada vez mais específico e de certa forma limitado. Por exemplo: você acompanhou Highschool DxD? Eu sei que pelo menos a primeira temporada boa parte dos otakus viu. Highschool foi, talvez, o ecchi mais estereotipado já feito, pois tinha harém, lolis, tsundere etc. E acabou por render três temporadas mesmo sendo extremamente forçado e fraco de conteúdo, já que sua trama era absurdamente clichê. Mas vendeu, pois satisfazia o que o publico queria ver: peitos. Sexo sempre vende mais, gravem isso.

Só que a cultura de animes e mangás é muito mais ampla do que aparenta ser. Uma leve pesquisa é o suficiente para descobrir que não existem somente shōnen ou ecchi no mundo. Já assistiu Paprika? Ou Steins;Gate?

Paprika

Não existe uma solução real pra este tema, já que é impossível imaginar uma sociedade utópica onde não exista o maior apreço por obras que valorizam e incentivam a depravação dos seres humanos, e isso me deixa triste.